Ir para o conteúdo
Blogs de indústria da Microsoft

Imagem de duas pessoas em uma reunião em frente a uma tela com gráficos

Os bancos têm visto avanços drásticos na tecnologia em todo o negócio, particularmente nos pagamentos. Neste blog, conversamos com Peter Hazou (clique aqui), líder de estratégia de negócios de serviços financeiros mundiais da Microsoft, e Dean Wallace (clique aqui), líder de prática de pagamentos digitais e em tempo real da ACI Worldwide, para discutir a transformação digital no setor de serviços financeiros e cinco perguntas a serem consideradas ao abordar sua estratégia, incluindo tópicos importantes como competir por participação de mercado, open banking, ISO20022 e muito mais. 

Para competir no cenário competitivo atual, os bancos precisam modernizar sua tecnologia antiga para serem ágeis e centrados em dados. Em que estágio eles estão nesse processo de modernização na sua experiência? 

Hazou: As prioridades mudaram nos últimos anos. Agora, quase todos os bancos estão focados em atualizações de infraestrutura para seus sistemas centrais. Nos últimos 10 anos, melhorar a experiência do cliente foi a principal prioridade, em grande parte porque era uma área em que os concorrentes não bancários das fintechs viram que os bancos tradicionais eram os mais vulneráveis à interrupção. A tendência e os investimentos agora mudaram para a modernização dos sistemas subjacentes que suportam essas experiências de usuário front-end centradas em dados. 

Wallace: Há alguns anos, eu teria dito que os bancos estão lutando com a modernização, mas do jeito que as coisas estão hoje, acredito que muitos deles estão progredindo muito. Muitas instituições financeiras estão seguindo em frente com camadas de capacitação digital aprimoradas para trazer novas propostas e valor para seus clientes. 

Quando se trata de pagamentos, vemos que muitos bancos estão trabalhando para a consolidação de tipos de pagamento em algum tipo de capacidade de hub. Eles estão removendo a infraestrutura herdada e se empenhando no objetivo de construir uma infraestrutura digitalizada sempre ativa. O que vocês pensam sobre isso? 

Hazou: Ao longo dos anos, com o crescimento das necessidades das empresas de serviços financeiros, os bancos cresceram adicionando recursos e funcionalidades às suas infraestruturas herdadas. Essa camada de catálogos de produtos cada vez maiores em sistemas mais antigos criou uma expansão de módulos interconectados e sistemas de alimentação que são caros de manter e inflexíveis para remediação. A complexidade resultante é confiável, mas com um alto custo e com um tempo de colocação no mercado muito ruim para atender aos novos requisitos do cliente. Uma das principais tendências hoje, especialmente com bancos multigeográficos maiores, é consolidar tudo isso em novos hubs de pagamento baseados na nuvem que sejam ágeis e aptos para competir na nova economia. 

Wallace: Alguns bancos estão muito mais avançados neste processo do que outros. Aqueles que ainda estão para trás estão muitas vezes lutando para encontrar o seu próprio “nicho” no novo mundo, o que é admirável, mas esses mesmos bancos estão lutando com uma visão de longo prazo para corresponder aos seus desejos, e eles tendem a superestimar aonde querem chegar, negligenciando alguns fundamentos ao longo do caminho: ou seja, que eles precisam da linha de base certa em primeiro lugar, e é por isso que eles estão ficando para trás. A maneira herdada de pensar ainda prevalece em muitos bancos. Se aventurar ao longo do caminho é uma boa ideia: tentar, falhar rapidamente, aprender, tentar de novo, etc. Mas estas tentativas precisam ter cuidado para não estabelecerem o seu objetivo de longo prazo nas ideias que saem do “aventurar-se”, eles precisam acertar primeiro os fundamentos. 

Com os planos orçamentários bancários agora em grande parte definidos para 2021, quais vocês acham que são as principais prioridades para a modernização de pagamentos? 

Hazou: superar uma série de forças em jogo, eu diria que a agilidade é o objetivo geral. Permite que os bancos reduzam os custos operacionais através de tecnologia e testes mais flexíveis e permite que os bancos se preparem para as incertezas da estrada à frente pós-COVID-19. Vivemos numa cultura de dados e num mundo digital onde todos os sinais que passam pelo sistema bancário têm valor para os clientes e para o próprio banco. Os pagamentos não são mais apenas sobre o processamento de widgets, a vida seguiu em frente e os insights de dados são a principal prioridade nos pagamentos. 

Wallace: Os bancos estão investindo em tempo real – vemos isso em todo o mundo. Muitos deles já têm recursos em tempo real ou planejam lançá-los em breve. O tempo real é um catalisador e terá um efeito sobre como todo o resto funciona no banco. Mais importante ainda, o tempo real permite novas camadas e recursos de pagamento digital, como serviços de Solicitação de Pagamento em que muitos bancos estão investindo. E uma vez que você tenha acertado os fundamentos, pode começar a colocar camadas em serviços de valor agregado: por exemplo, conectando recursos digitais da fintech ou criando recursos de fornecedores parceiros ou de seu próprio pool de ativos de back-office. 

A ISO20022 é mais do que uma necessidade de conformidade. Onde estão os negócios bancários em termos de desenvolvimento de casos de uso com seus clientes? 

Hazou: Os bancos não estão pensando amplamente sobre os possíveis pagamentos XML padrão ISO legíveis por máquina que os trarão para servir seus clientes e transformar seus modelos de negócios. Os grandes concorrentes de tecnologia e fintechs em serviços financeiros estão todos envolvidos com dados, enquanto os bancos estão tratando uma das maiores iniciativas do setor em torno de dados como uma atividade de conformidade, em vez de um desenvolvimento fundamental de sua proposta de valor. Isso requer pensar além dos desafios de ontem, por exemplo, como conciliar melhor pagamentos e faturas e mais sobre como conjuntos amplos de dados conectados podem trazer insights e valores reais. Parte disso pode significar pensar além dos limites dos Lucros e Perdas tradicionais dos bancos, como processamento de pagamentos, e mais sobre a cadeia de valor das atividades no comércio e na vida familiar. A inteligência artificial (IA) e o machine learning (ML) para serviços financeiros permitem que os bancos ampliem a forma como atendem clientes em economias bancárias abertas. Para saber mais sobre a ISO 20022, clique aqui e leia o nosso blog, Aproveitando a oportunidade da ISO20022 para organizações de serviços financeiros. 

Wallace: A ISO 20022 é uma necessidade de linha de base; o mandato existe e todos os bancos precisam cumpri-lo antes do final de 2022. Os bancos estão sem dúvida ocupados quando se trata de atualizar sua infraestrutura para os novos requisitos. Em termos de casos de uso e da questão de como extrair e analisar os dados e transformar os insights em novas propostas de clientes, muitas instituições financeiras ainda estão no início desse processo e ainda têm muito a fazer. 

Como vocês acham que os dados mudarão o setor de pagamentos? 

Hazou: Os concorrentes não bancários reconhecem os pagamentos como apenas um meio para coletar sinais e insights de dados, em vez de um negócio autônomo baseado em taxas. Isso é desafiador para a maneira tradicional pela qual os bancos viram seu crescimento de Lucros e Perdas desde o início das transações bancárias como um negócio de produtos geradores de taxas na década de 1980. Além da prevenção do crime financeiro, que é o primeiro e melhor caso de uso para dados, os bancos têm enormes franquias de clientes e experiência de domínio em serviços financeiros para os quais os dados são o elemento central. Modelos de risco aprimorados com base em dados em tempo real e análise preditiva serão o primeiro grande passo à frente. Além disso, a função dos bancos como agregadores de dados e criadores de serviços de valor agregado fornece uma trajetória tremenda e lucrativa em uma economia bancária aberta. 

Wallace: Há anos que falamos de dados, mas, na minha opinião, pouquíssimos bancos têm uma visão forte a este respeito. Os bancos estão começando a pensar sobre isso. Muitos deles estão utilizando suas habilidades externas, e esperamos ver algumas novas ideias e propostas surgindo nesse quesito em breve. 

Recursos adicionais da Microsoft 

Para acessar recursos adicionais e saber como os serviços financeiros estão se transformando digitalmente por meio do uso de tecnologias da Microsoft e soluções de nossos parceiros, visite nossas páginas de serviços bancários (clique aqui), mercados de capitais (clique aqui) e seguros (clique aqui).