Ir para o conteúdo
Blogs de indústria da Microsoft

Três pessoas sentadas em poltronas conversando

Na década de 1960, o estrategista militar John Boyd desenvolveu o conceito OODA – Observar, Orientar, Decidir, Agir. Essa filosofia de combate enfatizava a agilidade sobre a força bruta: Se você vir mais, entender melhor, decidir e reagir mais rapidamente do que um adversário, provavelmente vencerá. 

Boyd morreu em 1997, muito antes de alguém ouvir o termo “computação de borda”. Mas ele teria intuitivamente entendido o seu significado. Para os militares, a computação de borda coloca os recursos de computação e de dados mais próximos de onde as informações relevantes podem ter surgido recentemente – na “borda tática”. A Microsoft pode estender os serviços do Azure (clique aqui) para ambientes de largura de banda negados, interrompidos, intermitentes e limitados para aprimorar a tomada de decisões quase em tempo real para líderes de defesa e inteligência; dando aos elementos no campo a chance de manter seu impulso operacional e até mesmo, talvez, tomar a iniciativa. 

É claro que as forças táticas também devem lidar com outras operações militares além da guerra, que incluem contingências como socorro a desastres, segurança de fronteiras e até mesmo operações de busca e resgate de aviadores que caíram ou marinheiros cujo navio tenha afundado. Quem pode esquecer as operações militares internacionais para buscar sobreviventes e destroços associados ao voo 370 da Malaysian Air, ou o exemplo mais recente de um submarino indonésio que afundou? Ao contrário dos filmes, encontrar uma pessoa ou um bote salva-vidas em um oceano pode parecer impossível. Uma pessoa pode estar em qualquer lugar num pedaço de oceano que abrange milhares de quilômetros quadrados. 

 

Estamos vendo um exemplo perfeito de como a borda pode ajudar a salvar vidas na Nova Zelândia. Nesse momento, A Força de Defesa da Nova Zelândia (NZDF) fez uma parceria com a Microsoft e o Aware Group– um especialista em Internet das Coisas (IoT) e inteligência artificial (AI) com base na Nova Zelândia – para desenvolver tecnologia de ponta que salva vidas. A NZDF responde à cena de um acidente com várias plataformas de suporte com uma variedade de sensores enviados para capturar dados relevantes. O pacote de resposta muitas vezes inclui drones equipados com câmera e aeronaves tripuladas. 

Usando análises avançadas baseadas em IA do Aware Group – criado com base na Microsoft Stack Edge Platform (clique aqui)– a NZDF processa feeds de vídeo em tempo real, marcando e localizando geograficamente enquadramentos com indicações de contato promissor. Se esse contato se revelar ser um assunto de pesquisa, os ativos de busca e resgate podem ser enviados para o local preciso para uma recuperação. Isso pode fazer toda a diferença em um ambiente onde o tempo de sobrevivência reflete-se em minutos, não horas. 

A Microsoft Stack Edge Platform desempenha um papel importante nesta missão de salvar vidas. Ela possui hardware de IoT especializado, processamento de dados acelerado e pode ser executada de forma eficaz mesmo quando completamente offline em um ambiente hostil. Usando esta plataforma e a sofisticada IA do Aware Group, centenas de horas de filmagem de vídeo podem ser analisadas em segundos e as equipes de resgate recebem informações críticas. 

Agora, na fase de verificação de conceito, a tecnologia de resgate de análise de vídeo do NZDF (clique aqui) sugere aplicativos muito mais amplos para computação na borda. Uma abordagem semelhante poderia ser adotada para encontrar indivíduos ou forças  desaparecidos – ou deliberadamente escondidos – em ambientes remotos, desconectados e austeros em todo o mundo, como florestas, montanhas e selvas. 

Como mostra o caso da Nova Zelândia, a computação de borda está aqui agora e está sendo implantada não apenas pelos militares dos EUA, mas também pelos militares de parceiros de aliança. A Microsoft traz um ecossistema de parceiros sem precedentes para ajudar as agências de defesa e inteligência a aproveitarem essas funcionalidades avançadas. 

Este ecossistema inclui parceiros locais como o Aware Group na Nova Zelândia, que trabalham em estreita colaboração com nossas equipes de defesa e segurança para ajudar a impulsionar a inovação em nossos ambientes de clientes. Mas também inclui prestadores de serviço de defesa em escala global, como a Thales, que está inovando com a Microsoft para colocar nossas capacidades em plataformas como o Nexium Defense Cloud Edge (clique aqui), que pode ajudar a modernizar os programas de registro existentes, infundindo-os com as mais recentes tecnologias de nuvem. 

A Microsoft está cada vez mais trabalhando diretamente com nossos clientes e com nossos parceiros nas comunidades de defesa e inteligência para usufruir ao máximo da computação na borda tática para ajuda humanitária, a desastres e outras operações militares. Clique aqui e saiba mais sobre como estamos ajudando essas organizações a melhorar a eficácia operacional militar com tecnologia digital segura e robusta.