Ir para o conteúdo
Blogs de indústria da Microsoft

Por que os serviços são o futuro da manufatura

No mercado atual, repleto de produtos saturados de recursos e preços super competitivos, os fabricantes estão explorando novos modelos de negócios baseados em serviços que permitirão expandir as margens de lucro e criar relacionamentos mais fortes com os clientes. Muitos estão descobrindo que adicionar serviços a seus portfólios permite diferenciar suas ofertas e ganhar vantagem competitiva.

Quem precisa de uma fábrica?

Embora a fabricação terceirizada tenha sido sempre um serviço, a digitalização está mudando a forma como os produtos são projetados e produzidos pelos fabricantes terceirizados. Essas mudanças levaram à expansão do conceito de manufatura como serviço, no qual as empresas podem aproveitar uma rede compartilhada de infraestrutura de fabricação — de máquinas e manutenção a software e rede — para produzir mercadorias.

Com as redes de fabricantes, como o 3DExperience Marketplace da Dassault Systèmes, os clientes enviam projetos para os fabricantes da rede, que os analisam e fornecem cotações rápidas e precisas. Isso reduz a carga administrativa e os custos de fabricação. No caso de uma rede gerenciada de forma singular, um cliente pode enviar o pedido de uma peça e, com base na carga de trabalho, nos materiais, na disponibilidade da força de trabalho, localização e escala, a rede roteará dinamicamente o pedido para uma determinada instalação ou conjunto de instalações para atender a solicitação de forma mais eficiente.

A manufatura como serviço exerce um impacto significativo no custo e na velocidade de P&D e prototipagem, especialmente de produtos de alta tecnologia, como os semicondutores. De acordo com a Gartner, uma nova fábrica de semicondutores pode custar mais de US$ 6 bilhões. Esse custo de entrada é completamente insustentável para muitas empresas que procuram se inserir ou crescer nesse espaço. Entretanto, empresas de manufatura como a TSMC agora oferecem serviços para fabricar chips para empresas “sem fábrica”. A disponibilidade desses serviços de manufatura, em conjunto com a oportunidade de projetar e iterar novos chips a um custo menor, gerou o desenvolvimento de novas empresas de design de chips e muitas inovações no espaço. Como muitos outros modelos de negócios XaaS, a manufatura como serviço ajuda as empresas a migrar dinheiro do CAPEX para o OPEX, liberando capital para investimentos em pesquisa e desenvolvimento, marketing e vendas.

Quando os clientes pagam pela experiência, não pelo produto

Nos modelos de negócios de produto como serviço, os produtos físicos, o software e o suporte são fornecidos como serviço ou experiência virtualizada, e o comprador não é mais proprietário de um produto físico. Com base em algumas projeções iniciais da IDC, mais de 40% dos 100 principais fabricantes discretos e 20% dos 100 principais fabricantes de processos fornecerão plataformas de produto como serviço até o final de 2018.

O modelo de produto como serviço não é novo — A Rolls-Royce introduziu o serviço “Power-by-the-Hour” em 1962, oferecendo o serviço de substituição de motor e acessórios para os motores Viper da empresa com custo fixo por hora voada — mas a nova tecnologia está expandindo a oferta dos fabricantes.

A maior facilidade de coleta de dados, possibilitada por melhorias na tecnologia de sensores, é um dos fatores que impulsionam essa tendência. Os sensores se tornaram menores, mais potentes e menos caros (o sensor médio custará US$ 0,38 até 2020, muito abaixo do US$ 1,30 que custava em 2004, de acordo com um estudo da Goldman Sachs). Um estudo da MarketsandMarkets projeta que o mercado de sensores aumentará para US$ 5,6 bilhões em 2018. Esses sensores têm uma grande variedade de aplicações possíveis, incluindo a capacidade de capturar feedback quase em tempo real sobre operações de manufatura e uso do produto.

Além disso, a nuvem permitiu que os fabricantes unificassem mais facilmente os dados de todos os pontos de contato na cadeia de valor. Em conjunto com a inteligência artificial e o aprendizado de máquina, essa unificação permite obter insights profundos sobre os dados, processar informações com mais rapidez e automatizar as ações de forma inteligente. Avanços recentes no processamento de computadores agora permitem que essas funções sejam executadas em uma escala que não era possível anteriormente, justificando o desenvolvimento de produtos, melhorando as vendas e aprimorando o suporte ao cliente.

À medida que os produtos se tornam mais inteligentes e conectados, é mais difícil distinguir o produto da tecnologia em que ele é executado — especialmente o software. A convergência de hardware e software vincula o uso contínuo do produto diretamente ao fabricante, já que os clientes contam com o fabricante para receber suporte e atualizações de software. Isso permite aos fabricantes construir um relacionamento contínuo com os clientes ao longo do ciclo de vida do produto, incrementando os produtos com serviços digitais, fornecendo suporte e adicionando funcionalidades aos produtos existentes por meio de atualizações de software sem fio.

Business intelligence dá origem aos serviços digitais

À medida que tecnologias como IoT, inteligência artificial e aprendizado de máquina fornecem aos fabricantes uma maior visibilidade de seus produtos e operações, as empresas estão aproveitando essas informações para criar serviços digitais, como a manutenção preditiva, para expandir seu valor aos clientes.

A ThyssenKrupp, um conglomerado multinacional alemão e a quinta maior empresa de elevadores do mundo, fez uso da tecnologia IoT para conectar seus elevadores à nuvem. Os dados coletados dos sensores de um elevador permitem que os algoritmos processem as informações e prevejam a necessidade de manutenção — antes que o elevador quebre. Essa manutenção preditiva é aprimorada ainda mais pelo uso da realidade aumentada, em que os técnicos de elevadores utilizam o Microsoft HoloLens para receber instruções remotas de especialistas por viva-voz quando estão no campo. Testes de campo iniciais mostraram que os técnicos conseguiram resolver problemas quatro vezes mais rápido usando a tecnologia HoloLens do que sem ela. Ao equipar os elevadores da concorrência com seus sensores, a ThyssenKrupp conseguiu estender essa oferta de serviço para além da sua base de clientes, aumentando ainda mais sua vantagem competitiva.

Além dos modelos de manufatura como serviço, produto como serviço e serviços digitais já tratados, a manufatura em rede na nuvem abre uma ampla gama de serviços a ser explorada pelos fabricantes, incluindo o design como serviço (DaaS), experimentação como serviço (EaaS), equipamento como serviço (EaaS), simulação como serviço (SIMaaS), gerenciamento como serviço (MaaS), manutenção como serviço (MAaaS) e integração como serviço (INTaaS). Acrônimos à parte, uma coisa parece bastante clara: o futuro da fabricação está nos serviços de manufatura centrados no cliente.

Dynamics 365 em ação

A EPCOR, que faz parte do grupo de Engenharia e Manutenção da Air France KLM, está usando o Dynamics 365 for Finance and Operations para revolucionar o fornecimento de serviços digitais aos clientes das companhias aéreas. Aproveitando o poder da IoT, do aprendizado de máquina e da IA, a EPCOR ajuda as companhias aéreas a atingir suas metas de custo, segurança e confiabilidade.

Uma das principais linhas de negócios da EPCOR é a manutenção e reparo das unidades auxiliares de energia (APUs) de aeronaves. Usando sensores de IoT, a EPCOR é capaz de avaliar instantaneamente os danos ou o desgaste de uma APU. Associando essas informações ao histórico de dados ou aos dados de outras companhias aéreas que usam APUs semelhantes, a EPCOR usa o Dynamics 365 para fornecer manutenção preditiva, evitando falhas em peças antes que ocorram. É um sistema de autorreforço: À medida que a EPCOR executa mais manutenções, seu conjunto de dados cresce exponencialmente, tanto em termos de tamanho quanto de valor. Esse sistema baseado em nuvem também permite que a EPCOR faça previsões e antecipe seu número de visitas e, dessa forma, tenha uma previsão de rentabilidade.

Como a Microsoft está ajudando os fabricantes a servitizar seus negócios?

Dos recursos de IoT e aprendizado de máquina do Azure às experiências de realidade misturada habilitadas pelo Microsoft HoloLens, Dynamics 365 Layout e Dynamics 365 Remote Assist, a Microsoft está ajudando os fabricantes a estender seu valor aos clientes para além do chão de fábrica.

Para obter mais informações sobre como a tecnologia está possibilitando a servitização na manufatura, leia o Relatório de Tendências da Manufatura 2019 da Microsoft.