Ir para o conteúdo
Blogs de indústria da Microsoft

Três maneiras de melhorar a experiência dos seus clientes com IA

Como você pode preencher a lacuna entre o varejo digital e físico e oferecer aos clientes as experiências personalizadas e contínuas que eles esperam — para que você possa não apenas sobreviver, mas prosperar no atual renascimento do varejo?

Para ajudá-lo a responder essa pergunta, leia nosso white paper recém-publicado: “IA para o Varejo”.

Nele, você aprenderá a aproveitar a inteligência artificial (IA) para ampliar a engenhosidade humana, ganhar com seus clientes e se manter à frente da concorrência. Há vários exemplos: chatbots de conversa que podem ser disponibilizados para os clientes quando não há funcionários disponíveis, serviços cognitivos que podem capacitar os funcionários a fornecer experiências de compra mais personalizadas e coesas, e o aprendizado de máquina que pode ajudar a transformar as operações de varejo.

Como prévia, apresentamos três maneiras de melhorar a experiência dos clientes com a IA, abordadas no white paper:

Esteja sempre ativo

Quando um cliente está em uma rede social às 2h da manhã de um domingo, vê um de seus produtos e tem dúvidas sobre ele, um chatbot — também conhecido como agente virtual — pode responder perguntas, colocar um item em espera na loja ou facilitar a jornada do cliente de alguma outra forma.

E é exatamente isso que os nativos digitais de hoje esperam: poder interagir com a sua marca a qualquer hora do dia com o acompanhamento omnichannel.

Sua marca pode usar os chatbots como parte de uma solução coesa que funciona com suas equipes e outros sistemas para que você possa estar sempre ativo para seus clientes — e é isso que a Macy’s está fazendo. Seu agente virtual pode procurar pedidos e muito mais, já que está integrado aos outros sistemas da Macy’s. E, caso não consiga solucionar a dúvida do cliente, ele será automaticamente transferido para um agente humano.

Seja relevante

Ao longo da jornada do cliente, que envolve muito mais do que o ponto de entrada no ponto de venda, a percepção do contexto tem uma importância fundamental.

A IA pode ajudar a fornecer experiências relevantes para as necessidades do cliente no momento em que ele interage com a sua marca. Os funcionários ou chatbots podem usar os insights dos serviços cognitivos para fazer recomendações ao cliente com base em sua localização, interesses recentes, comportamento, avaliações e até nas pessoas que ele conhece. A IA também pode ser usada para que, ao entrar em uma loja ou estiver online, o cliente receba conteúdo e prêmios personalizados.

Varejistas como a Marks & Spencer, uma grande marca do Reino Unido, estão percebendo que acelerar a transformação digital com a IA é vital para ter sucesso no cenário atual do varejo.

Seja contínuo

Comprando na loja ou online, os clientes esperam uma experiência contínua em que tanto os agentes de venda humanos quanto os virtuais conheçam seu histórico e suas preferências.

É possível capacitar os funcionários da loja com ferramentas de inteligência artificial que reconhecem os compradores, para poder oferecer suporte personalizado e aproveitar as oportunidades de venda com base no histórico de compras e na navegação do cliente.

No passado, por exemplo, os clientes da Dixons Carphone que pesquisavam produtos online antes de irem à loja tinham que começar do zero quando chegavam à loja e pediam ajuda a um vendedor. Mas agora o chatbot da empresa, Cami, pode ajudar a preencher essa lacuna, pois permite que os funcionários vejam o que o cliente pesquisou online e o direcionem para esse produto ou para outros que o cliente também possa gostar, ou até mais.

Você pode ser um líder no renascimento do varejo por ser o que os clientes esperam — e muito mais

Para poder tirar proveito da IA, leia o e-book “IA para o Varejo“. Nele você poderá descobrir como melhorar a experiência do cliente e como transformar as operações de varejo com plataformas inteligentes e conectadas.