Ir para o conteúdo
Blogs de indústria da Microsoft

uma mulher trabalhando em um computador

 

Os varejistas voltados para os millennials (a geração do milênio ou geração Y) tiveram que repensar tudo o que sabem sobre vendas. Esse grupo demográfico entre 18 e 35 anos tem, em geral, menos renda, mais dívida entre estudantes e consumidores e demandas altas por uma experiência positiva do que as gerações anteriores. A posse de uma casa costuma estar fora de alcance, muitos nem querem possuir um carro, e preferem muito mais gastar esse dinheiro em experiências e eventos, em vez de produtos.

“Essa é uma indicação muito importante para o setor de varejo”, diz o fundador do Retail Prophet, Doug Stephens, em seu webinar “As cinco decisões mais importantes dos CEOs de varejo”. “O varejo sempre foi muito liderado por produtos. A experiência era um tipo de enfeite quando você comprava um produto”.

Então, naturalmente, há a experiência portátil. Para uma geração que vive no telefone, eles querem que a experiência portátil seja a primeira e a principal.

“Os millennials mais abastados passam mais tempo online, daí a importância e a garantia que seu jogo online, e em particular nosso jogo como varejista, esteja no ponto”, diz Stephens.

Então, o que um varejista deve fazer?

 

Por um lado, fazer da experiência uma parte da compra. Stephens diz que os produtos devem aparecer no decorrer do passeio. Ele cita como a Ikea, historicamente conhecida por seus enormes showrooms de estoques em áreas suburbanas, agora está criando estúdios de design menores em centros urbanos – também porque mais millennials são mais felizes vivendo nas cidades do que as gerações anteriores.

Outra coisa que os varejistas podem fazer é serem mais transparentes sobre as práticas de negócios. Estimam que 66% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por marcas sustentáveis.  Isso está mudando a maneira como os varejistas precisam pensar e abordar. Os millennials esperam que as empresas sejam social e ambientalmente responsáveis. Da perspectiva da Microsoft, isso significa que os varejistas da cadeia de suprimentos precisam começar a pensar em sustentabilidade nos processos de manufatura e cadeia de suprimentos, o que garantirá que eles estejam um passo à frente do jogo.

E a geração do milênio terá mais chances de escolher uma empresa que pague e trate bem seus funcionários.

“Agora, com os fóruns que temos online e com as redes sociais, certamente essas questões vêm à tona”, destacou Stephens. “É um interesse primário de consumidores millennials”.

Finalmente, os millennials estão dispostos a negociar sua privacidade e gastar seu patrimônio – se conseguem algo em troca. Isso pode se manifestar por meio de uma melhor experiência do cliente ou de uma oferta exclusiva, por exemplo. A personalização e os varejistas que conhecem seus clientes através de várias formas de tecnologia também aumentam a lealdade à marca que é, em última análise, o que gerará mais receita.

Para saber mais sobre como você pode reimaginar sua experiência de varejo, assista ao webinar As cinco decisões mais importantes dos CEOs de varejo, no qual o Stephens compartilha suas percepções e fala sobre as tendências em constante mudança no varejo.